Lilia Cabral fala sobre a depressão

Lilia Cabral está vivendo provavelmente o melhor momento de sua carreira na pele da protagonista da novela das 21h da Globo, a Griselda, em Fina Estampa.

Pois bem, perece que ele teve que lutar muito para chegar onde chegou, aos 54 anos de vida. Pelo que ficamos sabendo agora, a luta não foi somente para poder mostrar o seu valor como atriz, pois ela lutou também contra a depressão.

Em uma matéria que foi publicada na última edição da Revista Contigo, ela revela que, após a morte da mãe, desenvolveu depressão e transtorno do pânico.  A matéria vai neste link.

É sempre louvável quando uma personalidade pública, uma celebridade, traz à tona fatos de sua vida que tem a ver com saúde mental, como uma doença e um tratamento realizado. É impressionante como ainda hoje existe muito preconceito contra o tratamento psiquiátrico e como há tanta gente que está sofrendo, mas não vai ao psiquiatra de jeito nenhum, por puro preconceito. Assim, com a contribuição de Lilia Cabral – que com a sua revelação prova que qualquer um está passível de ter um trastorno mental tão corriqueiro e tratável como a depressão, mesmo a atriz mais falada da atualidade, capa de Veja e tudo o mais, penso que muitas pessoas podem tomá-la como inspiração e assumirem que têm um problema e procurar um psiquiatra, um psicólogo.

A depressão após um evento estressante, como a morte da mãe, no caso da atriz, é bastante comum. O que não se pode é deixar de tratar um quadro depressivo porque é “natural” ficar triste quando alguém importante para nós morre. Além disso, os sintomas de depressão, em geral, vêm acompanhados de alguns sintomas ansiosos, que podem ser sérios o bastante para causar crises de pânico.

O tratamento dessas condições é feito com antidepressivos (há uma grande variedade deles hoje em dia, bem maior do que à época em que a atriz esteve doente) e, dependendo do caso, psicoterapia.

(Visited 28 times, 1 visits today)