O santo que alucinava

Vamos imaginar os seguintes fatos.

Um jovem de classe média alta que gosta de curtir a vida com os amigos, beber, cortejar as belas mulheres. Seu pai é um comerciante de tecidos bem-sucedido e, naturalmente, seguir o ofício dele vai lhe garantir renda e tranquilidade. No entanto, este jovem é tomado por um mal-estar inexplicável que o faz padecer na cama por alguns dias. Ao melhorar, ele está de alguma forma diferente. Não sai mais com os amigos, fica muito distraído com os pássaros que voam pela cidade. Aí, começa a escutar vozes, mas não qualquer voz. Escuta a voz de Deus e essa voz lhe dá ordens. Diz ao jovem que ele deve reconstruir a sua igreja e de fato o jovem passa a obedecer a essas vozes e se mete a reconstruir uma pequena igreja abandonada nos arredores da pequena cidade onde vive. Não só isso, o jovem abandona toda a vida de riqueza e bonança que lhe era destinada e vai viver entre os mais pobres, mendigando. Chega a ficar nu em praça pública quando o seu pai lhe exige que volte a viver com a família e, num ato de abandono às posses terrenas, o jovem tira a roupa do corpo e as devolve ao seu pai, que lhe havia pago a vestimenta.

Agora, eu gostaria de saber o que vocês acham que deveria ser feito com este jovem. Muitos talvez tenham pensado que ele deve ser internado em um hospício, ou, no mínimo, tratado com remédios psiquiátricos.

Esses fatos relatados acima de fato aconteceram, mas não em nossa época. Ocorreram com um jovem chamado Francisco, que morreu há exatos 786 anos (em 1226). Francisco, imbuído da graça divina, abandonou as suas posses e passou a viver em extrema pobreza, em estrita observância aos evangelhos, completamente devoto ao próximo. Revigorou a fé cristã com o seu exemplo de vida, com a peregrinação , indo de encontro aos mais carentes. Numa época em que vida religiosa era reclusa em monastérios, Francisco fundou a Ordem dos Frades Menores ou Ordem Franciscana. É claro que estou falando de Giovanni di Pietro Bernardone (1182-1226), o São Francisco de Assis.

Era uma época em que não existiam os psiquiatras nem os sanatórios. Podemos dizer que São Francisco teve alucinações e delírios religiosos e mudou completamente o seu comportamento social. Será que o santo de Assis poderia viver no mundo de hoje sem que todos achássemos que ele fosse um louco, que ele fosse esquizofrênico? Não sei dizer.

São Francisco de Assis foi uma das figuras mais importantes da cristandade e é um dos santos mais venerados da Igreja. A sua conduta perante os mais pobres e desfavorecidos e a sua visão de fraternidade entre todas as criaturas é um exemplo para muitas pessoas.

O dia 4 de outubro é dedicado a ele.

(Visited 20 times, 1 visits today)